Unipar e AES Brasil inauguram Complexo Eólico Tucano, na Bahia

A Unipar, líder na produção de cloro e soda e segunda maior produtora de PVC na América do Sul e a AES Brasil, uma das maiores produtoras de energia com fontes 100% renováveis do Brasil, comunicam a inauguração do Complexo Eólico Tucano, localizado nos municípios de Tucano, Biritinga e Araci, na Bahia. 

O projeto é o primeiro complexo eólico do Brasil a ter operação e manutenção realizadas localmente por uma equipe 100% feminina. Parte da equipe que opera o Complexo foi formada em uma iniciativa em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial da Bahia (SENAI BA), que promoveu o curso de Capacitação em Especialização Técnica em Manutenção e Operação de Parques Eólicos, gratuito e exclusivo para a formação de mulheres no setor.

Com a entrada completa em operação dessa fase do projeto, que conta com 52 aerogeradores, passarão a ser adicionados 322 MW de energia renovável à matriz elétrica brasileira. O projeto contribuirá para evitar a emissão anual de 57,6 mil* toneladas de gases de efeito estufa (GEE). Na Bahia, a AES Brasil já opera desde 2017 o Complexo Eólico Alto Sertão II.

O empreendimento recebeu investimentos de R$ 1,5 bilhão e parte do projeto conta com a parceria da Unipar, por meio de joint venture firmada em 2021. O Complexo Eólico Tucano, além de ampliar a oferta de energias renováveis na matriz elétrica nacional e de ajudar no esforço global para a transição energética, contribuirá também com as metas de sustentabilidade da companhia industrial. 

Com essa parceria, a Unipar pretende obter 100% de toda a demanda de energia elétrica das operações no Brasil oriundas de fontes renováveis até 2025, sendo 80% por meio de contratos de autoprodução, como este na Bahia. 

A companhia é pioneira no setor de aquisição de energia renovável no Ambiente de Contratação Livre (ACL) e reconhecida pelas ações voltadas para o crescimento sustentável. Do total de energia gerada pelo complexo eólico Tucano, a Unipar terá 60 MW médios para alimentar as unidades no Brasil.

*Considera o fator do grid nacional de 2022 de 0,0426 (tCO2/MWh) 

Em breve teremos novidades

13

Evaporação

A Soda Cáustica é produzida na eletrólise e concentrada pelo processo de evaporação.

6

Sala de Células

Na sala de células ocorre a ELETRÓLISE. E assim, a energia elétrica age sobre a salmoura e a transforma em SODA CÁUSTICA, CLORO E HIDROGÊNIO.

Etapas

(3) Tratamento

(4) Filtração

(5) Controle

(3) A SALMOURA é tratada para eliminar impurezas, filtrada (4) e passa sob um rigoroso controle (5) para alimentar as CÉLULAS ELETROLÍTICAS.

2

Salmoura

Prepara-se então a SALMOURA que é obtida por dissolução do sal em água para ser usada depois na ELETRÓLISE.

);